O Delegado Rodrigo Souza, que estava de plantão na Central de Flagrantes, se deparou com uma situação inusitada na manhã desta terça-feira (24), em Curitiba.

O delegado alerta para esse tipo de golpe, para que as lojas fiquem atentas e caso desconfiem chamem a polícia.

A situação envolveu um estelionatário que recrutou dois moradores de rua. O golpista ofereceu um mês de hospedagem em uma pensão e comida para que os moradores fossem a lojas e realizassem compras de celulares.

O golpista de 28 anos, acompanhado de um comparsa falsificaram documentos de identificação dos moradores de rua, para que eles fossem a lojas de departamentos no centro de Curitiba, fizessem cartão de crédito e realizassem compras de aparelho celular. Um dos moradores “emprestou” o nome para que o segundo realizasse as compras utilizando documentação falsa.

Enquanto os estelionatários aguardavam no carro, um morador de rua foi até a loja e realizou compras. Quando retornava para o carro, uma equipe da Guarda Municipal desconfiou do carro estacionado e abordou os indivíduos. Com eles foram encontrados vários cartões de crédito em nome de terceiros e roupas velhas dos moradores de rua, que já estavam usando roupas novas para não chamar a atenção.

Durante a detenção, o golpista ainda ofereceu dinheiro aos guardas municipais que realizaram o flagrante e encaminharam os dois estelionatários.

Na Central de Flagrantes, o Delegado Rodrigo Souza conversou com o morador de rua que não tem passagem pela polícia e contou como foi recrutado pelo golpista. Ele disse que ficou tentado pela oferta de um mês de hospedagem e comida de graça, já que vive na rua. O delegado entendeu que exista a exclusão da culpabilidade – inexigibilidade de conduta diversa. Nesse sentido, é sabido que a culpabilidade está associada à possibilidade de se exigir, no caso concreto que o agente se comporte de acordo com o Direito e que se não é possível fazer esta exigência, ele não é culpável, o que se verifica no caso em análise.

Durante depoimento com um dos golpistas que já tem inúmeras passagens pelo sistema prisional ele negou toda a participação no crime e disse que não tinha nenhum flagrante com ele. Durante o depoimento o golpista utilizou um trecho da música “A Fumaça já subiu pra cuca” de Bezerra da Silva. Ele disse: “Nos autos do inquérito fica sem efeito”. O delegado que é carioca e sambista raiz já se ligou que o criminoso estava utilizando o trecho da música e questionou se ele era fã de Bezerra da Silva, veja um trecho do depoimento:

A dupla foi presa em flagrante e será indiciada por estelionato, falsificação de documentos e corrupção ativa. Já o morador de rua irá responder em liberdade.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui