Segundo lote com 67.860 doses da vacina Pfizer/Comirnaty/BioNtech chega no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, na noite desta segunda-feira (10). Foto: Geraldo Bubniak/AEN

Além de Curitiba, Londrina, Cascavel e Maringá também vão receber doses do segundo lote da vacina produzida pela farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com Comirnaty e BioNtec. No total, são 67,8 mil doses a serem distribuídas para as quatro cidades.

As doses chegaram a Curitiba nesta segunda-feira (10) e ficarão armazenadas no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) até a distribução, ainda sem data. Os quantitativos também serão divulgados nos próximos dias. A ideia é levar as doses paulatinamente até os municípios do Interior, de acordo com a chegada, a partir do segundo semestre, das 100 milhões de doses adquiridas pelo governo federal.

“É uma orientação do governador Carlos Massa Ratinho Junior para fazer uma pequena descentralização para os municípios referências das macrorregiões de Saúde. Serão em quantidades menores, vamos verificar os freezers, mas sempre solicitando que eles sejam exclusivos para esse armazenamento”, afirmou o secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

Em Curitiba, o Cemepar está equipado com freezers de ultrabaixa temperatura (-80ºC), que podem armazenar as doses por até seis meses. Além disso, possui ainda dois freezers de temperatura de -20ºC, que podem armazenar as doses por até duas semanas. Os imunizantes necessitam de armazenamento específico em freezers de alta performance por médios e longos prazos, o que restringe a logística de distribuição às cidades com infraestrutura para recebê-los.

A orientação da descentralização, no entanto, leva em consideração o informe técnico do Ministério da Saúde que afirma que as vacinas podem ser armazenadas à temperatura de 2ºC a 8ºC por no máximo cinco dias. Ou seja, permite aplicação rápida de um pequeno quantitativo de doses. O transporte também deve ocorrer em no máximo doze horas a 2º C a 8º C.

Segundo o governo federal, o quantitativo será direcionado a 3,6% do total da população de gestantes, puérperas, pessoas com comorbidades e pessoas com deficiência permanente estimadas no Estado. Até o momento, foram cerca de 100 mil doses do imunizante da Pfizer recebidas pelo Paraná. O intervalo de aplicação é de doze semanas.

18º LOTE – As vacinas da Pfizer integram a 18ª remessa enviada ao Estado pelo Ministério da Saúde, que também conta com 242 mil doses da Covishield, da AstraZeneca/Oxford/Fiocruz, e 57,8 mil doses da CoronaVac, da Sinovac/Instituto Butantan. Todas as doses já chegaram ao Estado e serão distribuídas às Regionais dentro dos próximos dias.

Todas as doses Coronavac e Covishield são destinadas à D2 de grupos cuja imunização já foi iniciada no Paraná — as vacinas da AstraZeneca passaram por uma correção pelo Ministério da Saúde e também serão destinadas à dose de reforço de grupos que já receberam a primeira dose.

Assim, as 242 mil doses da Covishield destinadas ao Paraná serão destinadas a 8% do grupo dos trabalhadores de saúde (24.471 doses), 100% das pessoas de 80 a 85 anos (73.362 doses), 100% das comunidades quilombolas (9.631 doses) e 23% das pessoas de 65 a 69 anos (103.535 doses).

Já as vacinas da Coronavac são destinadas a 2,9% das pessoas de 60 a 64 anos (15.919 doses), 7,4% dos profissionais das forças de segurança/salvamento e Forças Armadas (2.747 doses) e ainda 33.377 doses correspondentes a um reajuste na população dos grupos que já receberam a D1.

“Isso vai ajudar muitos municípios que estavam com falta de D2”, ressaltou o secretário da Saúde. “É muito importante completar o esquema vacinal”.

EDUCAÇÃO – Beto Preto também destacou que a imunização dos trabalhadores da educação no Paraná também se inicia nesta semana. O primeiro lote destinado ao grupo prioritário será distribuído às 22 Regionais de Saúde do Estado nesta terça-feira (11).

A indicação é que os municípios vacinem os trabalhadores da educação por idade, iniciando pela faixa entre 55 e 59 anos. Nesse primeiro momento, apenas os da Educação Básica (creche, pré-escola, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizante e EJA) serão atendidos, dentro da estratégia casada com o retorno das aulas. A recomendação é que seja apresentado documento que comprove a vinculação ativa do profissional com a escola ou apresentação de declaração emitida pela instituição de ensino.

“Conseguimos equacionar a documentação dos profissionais de educação e agora existe a possibilidade de imunização. A ideia é que os municípios atendam essa demanda. Pedimos que todos aqueles possam se articular nesse sentido”, afirmou o secretário.

VACINÔMETRO – Até as 19h desta segunda-feira (10), o Paraná vacinou 1.935.399 pessoas com a primeira dose, o equivalente a 18,53% da população do Estado. Com a segunda dose, foram 1.056.140 pessoas vacinadas, um total 10,11% da população. O Plano Estadual de Vacinação Contra a Covid-19 estima um total de 4.812.142 pessoas entre os 28 grupos prioritários para imunização.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui