O Governo do Paraná já disponibilizou 2.836 leitos para atendimento exclusivo à Covid-19 no Estado. Os números foram atualizados nesta quarta-feira (9), com a somatória dos 759 leitos reativados nas últimas semanas.

Desde 20 de novembro, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) tem viabilizado a reativação de leitos de UTI e enfermaria em todas as macrorregiões do Paraná. “Devido à falta de adesão das medidas de prevenção, o número de casos suspeitos e confirmados do novo coronavírus voltou a subir no Estado, e com isso estamos ampliando o atendimento hospitalar quase que diariamente, especialmente em Curitiba e Região Metropolitana”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Dados da Regulação de Leitos Estadual mostram que até agora, 562 leitos de enfermaria e 197 de UTI adulto foram reativados no Paraná. Além disso, existe a previsão de mais 44 leitos até a próxima segunda-feira (14). Atualmente o Estado soma 1.090 leitos de UTI adulto, 1.690 enfermarias e 22 UTI’s e 34 enfermarias pediátricas.

“Seguindo a orientação do governador Ratinho Junior, temos ampliado e disponibilizado o maior número possível de leitos para atendimento à população paranaense. Porém, é importante reforçar que estas medidas são finitas. O sistema de saúde em todo o mundo está chegando ao seu limite, seja pela falta de profissionais, medicamentos, equipamentos ou estrutura”, acrescentou o secretário.

ATENDIMENTO – Desde 26 de março, quando houve a implantação dos leitos exclusivos no Estado, 31.683 paranaenses já foram atendidos. Além disso, nesta quarta-feira (9), 2.111 pacientes estão internados no Paraná. A média de permanência de um paciente é de 12 dias na UTI e oito na enfermaria. Apesar do atendimento prestado nestas unidades, 21,1% dos pacientes que precisaram de internamento, não resistiram ao tratamento e faleceram.

“Ressaltamos que a disponibilidade de leito não garante que aquele paciente sobreviva ao tratamento, tampouco que não tenha sequelas. Em nove meses de pandemia no Estado, mais de 6.500 paranaenses morreram. Isto não é só um número, são mais de seis mil famílias que perderam seus entes queridos para este vírus”, disse Beto Preto.

De acordo com o secretário, a melhor prevenção neste momento é reforçar as medidas adotadas desde o início da pandemia. “Enquanto não houver uma vacina segura e eficaz, pedimos que a população se conscientize e retome os cuidados básicos de prevenção da doença, como o uso de máscaras, álcool em gel, adoção do distanciamento social de pelo menos dois metros, além de evitar aglomerações”.

REATIVAÇÕES – 18 municípios tiveram leitos reativados até agora.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui