Foto: PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) tirou de circulação, nos últimos dias, 9,5 toneladas de maconha que eram transportadas por rodovias federais em diversas regiões do país. Além dessa grande quantidade da droga, os policiais também apreenderam 700 kg de cocaína, 19 fuzis, 2,4 kg de ouro, mais de 700 mil maços de cigarros e recuperaram 129 veículos.

A ação de maior destaque ocorreu na tarde deste sábado (19), na BR-153, no município de São José do Rio Preto(SP). A PRF prendeu um homem de 28 anos por transportar 2.500 kg de maconha no compartimento de carga de um caminhão. Ele informou aos policiais que estava transportando uma carga de biscoitos e macarrão instantâneo, tendo carregado em Medianeira(PR) e seguia com destino a Fortaleza(CE). Ao revistarem a carga, os policiais encontraram um compartimento de madeira no meio da carroceria contendo, em seu interior, vários fardos da droga.

Na manhã da última quarta-feira (16), na BR-364, em Alto Araguaia(MT), uma Operação Integrada entre PRF e Polícia Militar do Mato Grosso resultou na apreensão de 191 kg de pasta base e 325 kg de cloridrato de cocaína. A droga estava escondida em um fundo falso da caçamba de um caminhão que transportava milho. Dois homens, que já tinham sido presos por tráfico de drogas pela PRF, foram presos na ação e encaminhados à Delegacia da Polícia Federal de Rondonópolis (MT), juntamente com a droga apreendida.

E na manhã deste domingo (20), a PRF apreendeu 2,4 quilos de ouro na BR-163, em Santarém (PA), em abordagem a um ônibus que fazia a linha Santarém(PA) – Marabá(PA). Em vistoria às bagagens dos passageiros, os policiais encontraram o ouro na mala de uma mulher de 26 anos. Ela confessou que recebeu determinada quantia em dinheiro para pegar o metal em Manaus(AM) e que o entregaria em Marabá(PA). A mulher não apresentou documento de origem do ouro e foi presa por usurpação de bem ou matéria-prima da União. A pena para este tipo de crime é de detenção de um a cinco anos e multa. Essa apreensão gerou um prejuízo de mais de R$ 700 mil para o crime organizado.

IMPACTO FINANCEIRO – As apreensões dos últimos dias geraram um prejuízo de quase R$100 milhões para as organizações criminosas.

As diversas apreensões indicam que o crime organizado tem inovado na forma de transporte dos ilícitos, utilizando esconderijos e compartimentos pouco acessíveis, com o objetivo de dificultar o trabalho da polícia. Mas o sucesso nas ações de combate ao crime evidenciam o preparo ainda mais acelerado dos policiais, especialmente para o enfrentamento ao tráfico de drogas.

A desestabilização da logística criminosa, gerada pelas ações da PRF, é resultado do investimento da instituição no emprego de inteligência policial e tecnologia, conferindo maior qualidade às informações e permitindo maior assertividade na tomada de decisões dos policiais em campo.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui