(Imagem: Gilmar Germano de Britto/Rede Massa)

A adolescente Lívia, 16 anos, que morreu após passar mal em um motel, sofreu um edema pulmonar. Essa foi a primeira informação repassada pelo Instituto Médico Legal sobre o que teria acontecido com a jovem.

Na última quarta-feira (20), a adolescente foi até o motel com um rapaz que estava começando a se relacionar. Lucas Nascimento de Carvalho, 29 anos, relatou que após o ato sexual, a jovem começou a passar mal e sentiu falta de ar. Em seguida ela começou a ter uma grande hemorragia e ficou inconsciente.

Lucas saiu correndo e pediu socorro para funcionárias do motel, porém as funcionárias que são estrangeiras não sabiam falar muito bem português. Uma das funcionárias teria amparado a adolescente enquanto outra funcionária ligou para a Polícia Militar. Como a mulher não sabia falar muito bem português ela passou o celular para Lucas que comunicou a situação aos policiais militares. Lucas teria questionado se ele poderia socorrer Lívia até uma emergencial e de acordo com ele, os policiais orientaram a adolescente para uma emergência. Enquanto isso a adolescente continuava sangrando. Com ajuda das funcionárias ele tentou enrolar a adolescente em um lençol, mas como ela continuava sangrando eles decidiram vesti-la para não ir nua até a Unidade de Pronto Atendimento. Ele pagou o motel e levou a adolescente até a UPA de Pinhais.

Lucas relatou que quando colocou a adolescente no veículo ela ainda estava respirando, mas ela morreu logo após dar entrada. A provável causa da morte pode ser a grande hemorragia sofrida, devido o edema pulmonar, mas o laudo do Instituto Médico Legal deverá sair em 30 dias.

De acordo com o advogado Igor José Ogar, após deixar Lívia na UPA, devido a demora ele foi até a casa da mãe e a levou até a UPA, relatando que ela teria passado mal e desmaiado. Lucas conhece a família de Lívia há 8 anos, porém eles começaram a conversar apenas há 25 dias, onde começaram um relacionamento. Apesar da mãe não aprovar o relacionamento pela diferença de idade, ela permitia. O pai de Lívia não sabia que a filha estava se relacionando com ele, mas Lucas teria relatado que ia contar para ele.

Lucas relatou que amava Lívia e que estavam planejando de morar junto e que está sofrendo muito com o que aconteceu. O advogado de defesa informou que Lucas não ficou preso e sim detido, para esclarecimentos, porém após exames preliminares, foi constatado que Lívia não sofreu violência física ou sexual. O advogado acredita que Lívia poderia ter algum problema de saúde pré-existente que pode ter ocasionado a morte da jovem.

Os celulares de Lucas e Lívia foram entregues a Polícia Civil para que as conversas fossem analisadas. O advogado ainda afirmou que Lucas não teria cometido nenhum crime, por isso ele foi solto.

O edema pulmonar

O edema pulmonar é uma condição caracterizada pelo acúmulo de líquido no interior dos pulmões. Ele ocorre com mais frequência quando o coração encontra dificuldade para bombear o sangue, aumentando a pressão do sangue no interior dos pequenos vasos sanguíneos dos pulmões. Para aliviar essa pressão crescente, os vasos liberam líquido para dentro dos pulmões. Esse líquido interrompe o fluxo normal de oxigênio, resultando em falta de ar.

Na maioria dos casos, o edema é causado pela insuficiência cardíaca, que ocorre quando o coração não é capaz de bombear o sangue adequadamente. Mas o edema pulmonar pode ocorrer por outros motivos, incluindo pneumonia, exposição a certas toxinas e medicamentos e até por traumas torácicos. Além disso, algumas pessoas, quando expostas a altitudes acima de 2.500 metros (o equivalente a quase nove Torres Eiffel), podem desenvolver o problema. À medida que a altitude aumenta, a pressão atmosférica diminui e menos moléculas de oxigênio estão disponíveis no ar mais rarefeito, dificultando a respiração. Quanto mais rápido a pessoa sobe, maior o risco de edema pulmonar.

Segundo o dr. Fernando Ganem, diretor do serviço de Pronto Atendimento do Hospital Sírio-Libanês, várias condições que afetam o funcionamento do coração podem levar ao surgimento do edema pulmonar. São elas:

* Doença isquêmica do coração (infarto).
* Disfunção das válvulas e do músculo cardíaco (cardiomiopatia), que pode ser decorrente de hipertensão.
* Diabetes.
* Alcoolismo crônico.
* Infecções virais.
* Cardiotoxicidade de alguns medicamentos.
Além dos problemas cardíacos, há outro grupo de doenças de risco para o edema pulmonar. Pessoas que já tiveram um edema pulmonar ou doenças pulmonares, como tuberculose e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), ou com distúrbios vasculares estão mais propensas a desenvolver um edema pulmonar.

“Quando isso ocorre, o paciente apresenta sintomas como falta de ar, sudorese excessiva, ansiedade, inquietação ou sensação de apreensão, sensação iminente de morte, dificuldade para respirar que piora quando deitado, sibilos ou suspiros, palpitações e dor no peito”, explica o dr. Ganem.

O diagnóstico é feito por meio da avaliação dos sintomas através de uma boa anamnese, exame físico e de raios X de tórax para avaliar a presença de líquido no pulmão. Quando não diagnosticado e tratado com rapidez, o edema pulmonar pode ser fatal.

Em casos graves, depois da abordagem inicial na sala de emergência, os pacientes podem necessitar de atendimento em uma unidade de cuidados intensivos ou críticos.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui