A Delegada Vanessa Alice da Delegacia da Mulher, no dia 8 de dezembro deste ano, realizou o pedido de prisão preventiva de Antônio Henrique dos Santos e Vagner de Lima, conhecido por Perninha.

A delegada recebeu do Ministério Público, as conversas entre Antônio e Vagner negociando a morte da gerente de banco Tatiana Lorenzetti, 40 anos, ex-esposa de Antônio.

No processo de prisão, a delegada anexou todas as provas de que a vida de Tatiana corria sério risco já que havia materialidade conseguida através de um grampo telefônico no celular de Perninha.

Perninha estava sendo investigado na Operação Azteca, que teve como objetivo prender envolvidos no tráfico de drogas na região do México 70, no Sítio Cercado. Durante uma das ligações que Perninha recebeu, o Serviço de Inteligência do 13° Batalhão registrou algo que chamou a atenção. Não era uma ligação de negociação de drogas e sim uma ligação para negociar a vida da gerente de banco. Veja toda a conversa entre Antônio conhecido por Tonhão e Perninha:

Mesmo com toda materialidade, de acordo com informações repassadas pela polícia, a Justiça negou o pedido de prisão preventiva alegando que as provas eram ilegais. Com isso Tonhão continuou solto.

No início da tarde desta segunda-feira (28), Tatiana saiu da agência da Caixa Econômica Federal e se dirigiu até o estacionamento localizado na Rua Desembargador Ernâni Guaritá Cartaxo, no bairro Capão Raso. Quando se aproximou do portão do estacionamento, a gerente foi surpreendida por um criminoso armado que pediu a bolsa e a chave do carro. Tatiana entregou a bolsa e em seguida foi atingida por um disparo na cabeça. O Siate chegou a ser acionado, mas ela não resistiu morrendo antes da chegada do socorro.

O criminoso fez um casal em um veículo Logan que passava utilizando o mesmo para fugir. Durante a fuga, um cerco policial avistou o carro e já tinha informações que o casal estava sendo mantido refém. Houve tentativa de fuga e no bairro Pinheirinho, o criminoso desembarcou do carro com arma em punho. Os policiais chegaram junto e houve confronto. O marginal foi baleado e morreu na hora. Com ele foi encontrada a bolsa de Tatiana e um revólver utilizado para realizar o crime.

A princípio a polícia tratava o caso como um latrocínio, roubo seguido de morte, porém logo com a chegada da família, a polícia teve informações que Tatiana tinha uma medida protetiva contra Antônio, seu ex-marido.

A Polícia Civil fechou o cerco e conseguiu prender duas pessoas algumas horas após o crime. Antônio chegou no início da tarde desta terça-feira (29), na Delegacia da Mulher acompanhado de um advogado para prestar depoimento.

A motivação do crime pode ser motivada pela guarda da filha e uma indenização do seguro de vida. Com a morte de Tatiana, Antônio assumiria a guarda da filha de 10 anos que receberia o dinheiro do seguro de vida. Eles estavam separados há 5 anos.

Tatiana está sendo velada na capela do Cemitério Jardim da Saudade I e o enterro está marcado para a tarde desta terça-feira.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui